News

Sunday, 5. December 2010

As autoridades da Uganda revelaram que mais e mais raparigas Sabinas estão afluindo em grupo ao Quénia para serem ali circuncisadas, como resultado da proibição da MGF em julho deste ano. Segundo a nova lei, os transgressores enfrentam penas até 10 anos de prisão ou prisão perpétua, no caso da vítima morrer em conseqüência da mutilação genital.

No Quênia, as meninas Sabiny são cortadas em plantações de milho e são mantidas lá pelo menos durante quatro dias, de forma a poderem recuperar em certa medida do procedimento.